Quem sou eu

Minha foto
Niterói, Rio de Janeiro, Brazil
Sou Biólogo e entusiasta na Arte do Bonsai desde 1991. Montei esse blog para compartilhar alguns dos trabalhos que venho desenvolvendo, bem como compartilhar também algumas idéias e assuntos relacionados à arte. Gostaria muito da sua participação. Seja bem vindo!

Seguidores

terça-feira, 14 de julho de 2009

Técnicas para modelagem de um Flamboyant - Parte II

INCISÕES
As incisões ou riscos na base da planta são realizados, para se conseguir imitar com fidelidade as raízes tabulares (projeções basais) que ocorrem em alguns casos nos exemplares em tamanho natural de um flamboyant. Essas são realizadas durante a fase ativa e respeitando o sentido das raízes laterais do exemplar em questão. São escolhidas pelo menos umas cinco raízes laterais para se reproduzir esse sistema radicular, ou tecnicamente falando o “nebari” da planta. Porém antes de fazer tem que se retirar a raiz primária, chamada também de “raiz pivotante”, e outras que estão indo para baixo. As incisões têm que estar alinhadas com as raízes e são realizadas longitudinalmente. Esse procedimento não irá estimular o surgimento de novas raízes e sim irá estimular a cicatrização no local. Para tanto, deixe a área riscada acima do solo, já as raízes, podem ficar enterradas até que consigamos obter as projeções desejadas. Quanto ao comprimento destas incisões é de acordo com o gosto de cada um.
Não é necessário fazer uso de qualquer tipo de cicatrizante, apenas faça esta intervenção salvo a planta estar em bom estado de saúde. É importante também esperar fechar, cicatrizar o corte, para repetir este procedimento. Até que isso aconteça, observa-se que os cortes apresentam uma coloração diferenciada do tronco. Quando a área estiver com a coloração homogênea refaça as incisões nos mesmos locais, respeitando sempre a fase ativa da planta. Melhor deixar ele praticamente fechar a cicatriz, para poder ter tecido vivo para cortar. Utilize um bisturi ou mesmo um estilete limpos para fazer as incisões. Depois que houver a cicatrização, obviamente não aparecerá o corte que se fez e só depois disso que é refeito este procedimento. Ao tomar estas precauções notamos que formará uma projeção na parte basal do tronco, então teremos que repetir essas incisões até que fiquem bem proeminentes e tão similares como as raízes tabulares de um exemplar em tamanho natural. As incisões são realizadas uma vez por ano, respeitando cada ciclo anual da planta. Escolha os exemplares que estão com pelo menos uns 2 cm de diâmetro ou os que já estão com casca no tronco.

Pode-se fazer este tipo de trabalho quando a planta sair do estágio de letargia e em plena atividade, sempre apresentando boa saúde. Porém ainda não é feito nas raízes. Estas chegam bem próximas e são mantidas neste momento recobertas com solo. Quando a planta estiver mais desenvolta quanto às projeções se dá início as incisões nas raízes. O motivo seria de elas estarem gerando tecidos novos que iriam recobrir a ferida anterior e ao contato com o solo, ficariam vulneráveis a contaminação. A cicatrização faz com que o caule fique mais grosso na seção onde foram realizadas as intervenções, ao mesmo tempo as raízes, que estão enterradas, vão engrossando também. Para imitar o nebari de um Flamboyant, é necessário fazer incisões sucessivas nas áreas pré-determinadas, conforme anteriormente descrito, sempre respeitando o sentido das raízes laterais. Salvo exemplares não muito pequenos não existem restrições quanto às incisões serem profundas.
Ao se fazer a próxima troca de solo no final do inverno, início da primavera e vendo que já existem calosidades na base, que são as projeções basais descritas, pode-se reduzir bem o volume das raízes. Agindo assim, haverá uma maior redução das folhas. Chegando o outono, retire todas as folhas deixando apenas as hastes que sustentam os pecíolos. Com isso e controlando as regas, mais compactação iremos conseguir com relação à folhagem. As incisões têm que ser realizadas quando a planta estiver em plena atividade, que compreende os meses mais quentes do ano. No inverno não é conveniente tomar deste procedimento, pois a planta está com o seu metabolismo baixo.